Manual Pré e Pós Operatório

//Manual Pré e Pós Operatório

Manual Pré e Pós Operatório

Olá!

Este é o manual com instruções aos nossos pacientes que se submeterão ou que já se submeteram a um tratamento cirúrgico.

Como nos importamos muito com o sucesso no tratamento de cada um de nossos pacientes, desenvolvemos este conteúdo, que com certeza, orientará e ajudará a passar por essa importante etapa da sua vida.

Todos sabemos que para se obter os melhores resultados, em qualquer tipo de tratamento, deve-se trabalhar sempre em equipe, e isto, também inclui você – o paciente!

O manual traz diversas informações sobre cuidados a serem tomados tanto durante o período que precede a cirurgia, tanto quanto para o período após esse procedimento.

Ressaltamos que não existe nenhuma conduta absoluta para cada caso ou para determinado paciente em específico. Por tanto, essas são apenas informações gerais, podendo haver alterações a qualquer momento, a depender da evolução de cada paciente perante seu acometimento.

Vamos lá?

Cada cirurgia, é uma cirurgia!

Embora não existam casos e cirurgias exatamente iguais, existe uma série de condutas e medidas comportamentais, que se adotados por esses pacientes que submeterão à um procedimento cirúrgico, favorecem a recuperação e diminuem os riscos de toda e qualquer intervenção.

PRÉ – OPERATÓRIO

1- Uso de medicações:

AAS – interromper o uso 7-10 dias antes do procedimento.

Anticoagulantes – interromper o uso 7-10 dias antes do procedimento.

Anti- Hipertensivos – devem ser continuados até a manhã da cirurgia.

Antiarrítmicos – geralmente continuados até a manhã da cirurgia.

TRH – hormônios devem ser suspensos até 1 mês antes do procedimento.

Hipoglicêmicos – geralmente mantidos até a manhã da cirurgia ou trocado pelo uso de insulina no momento da internação.

Corticóides – geralmente trocados por apresentação endovenosa na internação.

Hôrmonios tireoidianos – devem ser continuados até a manhã da cirurgia.

Sedativos – podem ser mantidos, sendo úteis em situações indicadas.

Antipsicóticos – devem ser continuados até a manhã da cirurgia.

Antidepressivos – podem ser continuados até a manhã da cirurgia.

Fitoterápicos: interromper o uso 7-10 dias antes do procedimento.

Lembre-se de sempre informar ao seu médico o uso de toda e qualquer substância durante o período que precede sua cirurgia!

2- Uso de tabaco e bebidas alcoólicas:

Cesse imediatamente o uso de tabaco e bebidas alcoólicas de qualquer tipo!

A descompensação pulmonar é a principal causa de morbidade no período pós operatório.

3- Uso de drogas e outros:

Cesse imediatamente o uso de qualquer substância e avise seu médico sobre o problema. A imensa maioria dessas substâncias geram dano direto e indireto aos pacientes, principalmente em período pré-operatório e pós operatório.

4- Perca Peso:

Além de todos os benefícios à sua própria saúde, o excesso de gordura visceral dificulta o procedimento cirúrgico e aumenta o tempo anestésico, consequentemente aumentando o risco operatório global.

No caso de pacientes que se submeterão à cirurgia bariátrica, nossa equipe aconselha a perda de no mínimo 10% do peso atual.

5- Tricotomia:

Não raspe ou depile os pelos do corpo antes da cirurgia. Essa prática favorece a colonização e infecção do sítio cirúrgico.

6- Alimentação:

Evite ao máximo a ingesta de alimentos pesados e de difícil digestão, como: os ricos em gordura, carne vermelha, frituras e condimentados.

Procure alimentos ricos em proteínas magras em dietas mais brandas.

7- Adereços:

No dia que precede a cirurgia, retire todas as estruturas que apresentem metais em sua composição, assim como: brincos, pulseiras, correntes, ”piercings,” etc. Esses adereços podem conduzir a corrente elétrica utilizada durante a cirurgia e ocasionar extensas e graves queimaduras.

8- Não esqueça de levar:

Não se esqueça de levar no dia da internação: documento com foto, documento do convênio (se tiver), TODOS os exames solicitados, pertences de higiene pessoal e apenas poucas peças de roupa.

9- Não levar:

Não é permitido a entrada no Hospital com qualquer tipo de alimento.

Não leve roupas ou outros objetos em excesso.

Procure não expor objetos de valor durante o período de internação.

10- Preparo Psicológico:

Procure manter pensamentos tranquilos e otimistas. Acerque-se de pessoas queridas neste período. Você será cuidado em um ambiente com toda infraestrutura necessária e por uma equipe de médicos altamente especializada.

PÓS – OPERATÓRIO

1. Alimentação:

Os alimentos que poderão ser ingeridos no pós operatório estarão sempre relacionados com o tipo de procedimento realizado e doença de base. Questione a respeito do seu caso em exclusivo, mas, de uma forma geral, evitar alimentos com alto teor de gordura, frituras, condimentados, gaseificados, os que contenham álcool, sementes e ou cascas. Avaliação nutricional nesse momento é fundamental!

2. Higiene:

Todos os pacientes deverão manter todos os hábitos normais de higiene diários. A depender de cada caso, é de bom tom ajuda de um cuidador para os hábitos que demandem maior mobilização.

3. Cuidados com ferida operatória:

Todos os pacientes deverão manter cuidados básicos com qualquer e todo tipo de ferida operatória. Deverão ser higienizadas no mínimo 3 (três) vezes ao dia, podendo variar, com intenção de mantê-las sempre limpas e secas. Água corrente, sabão, sabonete anti-séptico, soro fisiológico são os suprimentos mais aconselháveis para a realização de tais procedimentos.

4. Retirada de pontos:

Cada procedimento cirúrgico é exclusivo – dessa forma cada caso terá características peculiares a cada caso. Para a síntese cutânea (pontos na pele), isso não é diferente! Geralmente, para a pele, usa-se fio de Nylon, inabsorvível, qual necessita a retirada por profissional adequado após correta cicatrização. Dentre os fios absorvíveis, o Monocril destaca-se entre os mais usados, fio qual não implica em sua retirada, uma vez que é absorvido pelo próprio organismo alguns dias após.

5. Drenos:

Muitas vezes há a necessidade de drenar o sítio cirúrgico. Algumas vezes o dreno deverá permanecer por um tempo mais prolongado, além da alta hospitalar. Não tenha medo, o dreno é um verdadeiro amigo do paciente! Tem a função de acusar qualquer adversidade no local operado. Alguns cuidados com a boa manutenção desses drenos, como: não tracionar, higienizar diariamente,

mensurar débito e aspecto são muitas vezes essenciais para o sucesso do tratamento.

6. Cinta abdominal:

Em procedimentos quais há a necessidade de abertura mais extensa da parede abdominal, recomendamos o uso da cinta abdominal no período pós operatório. Esta contenção mecânica muitas vezes previne complicações do sítio cirúrgico como a deiscência da sutura (abertura dos pontos), predisposição de hérnia incisional, até evisceração de órgãos.

7. Atividades Físicas:

Embora atualmente façamos a maioria de nossos procedimentos por acesso minimamente invasivo, aconselhamos o afastamento do paciente de atividades físicas por um determinado período de tempo, levando-se em consideração o tipo de acesso empregado e a doença de base. Nos procedimentos menores e menos invasivos, aconselhamos em torno de 30 dias; já nos maiores e mais invasivos, em torno de 90 dias de afastamento das atividades físicas mais extenuantes minimiza possíveis complicações inerentes a esta prática.

8. Atividade Sexual:

Do ponto de vista mecânico, segue a mesma linha de uma atividade física. Por tanto, deve-se evitar maiores esforços que possam causar maior pressão ou impacto ao sítio operado. Para procedimentos maiores e mais invasivos, aconselha-se em torno de 30 dias de abstinência da prática sexual.

9. Sinais de alerta:

Todo e qualquer procedimento cirúrgico não é isento de riscos de complicações. Atentar-se ao aparecimento desses sinais e sintomas pode evitar o agravamento do quadro. Ao apresentar: dor contínua e progressiva, febre (temperatura igual ou maior que 37.8 graus, vômitos incoercíveis, sangramento ativo, procure imediatamente o pronto atendimento do hospital onde foi realizada a cirurgia para avaliação detalhada do agravo.

10. Atestado Médico:

O afastamento do paciente de suas atividades laborais dependerão principalmente da doença de base, tipo de procedimento realizado, tempo de recuperação estimado e atividade de trabalho desenvolvida. É direito do paciente e dever do médico assistente, sempre respeitando premissas éticas, a adequada conduta perante cada situação em exclusivo.

2018-06-14T19:40:50-03:00 junho 14th, 2018|ESPAÇO SAÚDE|
WhatsApp chat